Dear You
por favor, pegue-me, leia-me
não me descarte, não me ignore
não me julgue, não interprete mal os meus pedidos
Eu só quero que você entenda, Eu só quero que você saiba algo
qualquer coisa que os outros não possam entender
Você me daria a honra de ser o primeiro a saber
o primeiro a reconhecer, o primeiro a responder
esta carta admitindo aos céus, apenas prove-lha
Eu tenho um apelo que tenho certeza que eles não me concederão
mas nunca saberei se não tenho idéia de como eles responderão
Você o levará
Você me ajudará?
Dear You
Vocês me ajudarão?

O que é que eu lhes quero perguntar?
Se eu disser, rir-se-iam como eu tenho a certeza que eles se ririam de mim?
Se eu disser, você iria com isso e faria uma cara séria para me agradar?

Ok, aqui vai
Eu quero pedir-lhes…para…bem…para me tornarem…imortal se possível…
Vejam, eu sabia que se iriam rir da minha direcção, desprezarem-me pelas minhas crenças
mas aqui eu perdoo-vos, deixem-me só falar
Só aqui me deixam sair…(suspirar) ….(inspirar, expirar)
O tempo está a esgotar-se!
e admitindo que estou aterrorizado, acabei de me apanhar no meu próprio trabalho medíocre
que mal reconheço a mudança, a diferença que a vida traz
nesta idade actual
Que não se veja o abuso quotidiano
pelo menos uma vez por dia, reina o eco do adeus
em algum lugar onde chove por outro fantasma que passa
Um fogo está a irromper sem chamas, apenas rodadas de máquinas com fortes impactos
colocando mais um buraco num corpo para os jovens irem
ou melhor ainda, há mais uma passagem misteriosa
nem mesmo os médicos podem dizer o que está errado
embora esta sempre crescente onda de maré de bebés continue a entrar
para reabastecer este ciclo de vida
mas não parece justo para estas pessoas que ainda não começaram a viver
ou para os que vivem altruisticamente
Existimos num reino alternativo, existe um do-over
desde que tudo o que ouvimos é que este nosso mundo está condenado
através de conspirações, segredos de back-alley
no nosso pequeno, pequeno reino de possibilidades
Todas as nossas perguntas pós-vida, ninguém está aqui para responder
não há zumbis como o elixir para facilitar a nossa confusão
A fatalidade fez-me pôr em causa a moralidade na minha mortalidade
Eu posso ter medo de dormir porquê se eu sonhar da maneira que sei
e de repente pára porque não ouço nenhum som
É suposto eu acordar neste momento, Não me afogar em silêncio, sempre conhecendo o silêncio
Se o meu coração desse luta, se o meu corpo tentasse constringir de volta à vida
ou se uma convulsão começasse a reivindicar a minha paragem eterna
Morrer Você
é o meu ponto de vista através
Pode ser um cobarde, mas prefiro pedir para tentar pelo menos
ou ter demasiado medo para terminar isto…

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.