Os Panteras Negras foram um partido político que surgiu nos Estados Unidos, na década de 1960, no contexto da luta da população afro-americana pelos seus direitos civis. Fundado por universitários negros, surgiu como um movimento de combate à violência policial contra negros nos Estados Unidos e transformou-se em um partido político com um projeto revolucionário de combate à desigualdade contra os afro-americanos.

Acesse também: Entenda o que é o racismo e como ele se manifesta

É importante dizer que esse partido defendia a ideia da autodefesa armada como forma de luta contra a violência praticada pelo Estado contra os afro-americanos e de um projeto autogestionário, isto é, a comunidade afro-americana deveria ser autogovernada. Ao longo de sua existência, eles criaram uma série de ações em benefício de comunidades carentes, mas foram duramente perseguidos pelo FBI (unidade de polícia do Departamento de Justiça dos Estados Unidos ), o que levou o partido à sua dissolução na década de 1980.

Os Panteras Negras foram um dos grupos que fizeram parte dos movimentos que defendiam o lema “black power” (poder negro). Os grupos que partilhavam desse lema defendiam a autodeterminação do povo negro. Um dos símbolos adotados pelos Panteras Negras em concordância com o “black power” era um punho erguido.

O punho erguido é um dos símbolos do movimento negro dos Estados Unidos e foi utilizado pelos Panteras Negras.

Contexto

Os Panteras Negras surgiram na década de 1960 e fizeram parte dos movimentos afro-americanos que reivindicavam direitos civis a essa parcela da população. Até a década de 1960, os negros não possuíam direitos civis em uma série de locais, principalmente no sul dos Estados Unidos, região de forte passado escravocrata e racismo latente.

Assim, até as décadas de 1950 e 1960, era comum, em várias partes dos Estados Unidos, que os negros não pudessem visitar certos tipos de restaurantes e lojas. Além disso, existiam escolas e universidades que não aceitavam matrículas de alunos negros. Os afro-americanos ainda eram obrigados a se sentar no fundo do ônibus e existiam até bebedouros nos quais negros não poderiam tomar água.

Estabelecimento público em Washington com locais de espera diferentes para brancos e negros.

Todo esse preconceito fazia com que a população afro-americana vivesse em um estado de pobreza muito agudo e fosse vítima de muita violência policial. Em resposta a tudo isso, os negros começaram a se mobilizar e a protestar contra o racismo em todo o país. Assim, começaram a surgir movimentos que preconizavam a ideia de desobediência civil para lutar por melhorias.

Grandes nomes surgiram nesse contexto, como Martin Luther King Jr., pastor batista que ficou conhecido por defender uma luta não violenta contra o racismo; e Malcolm X, membro de uma organização chamada Nação do Islã. Malcolm X defendia o separatismo dos negros e a luta armada como forma de resistência ao racismo.

Fundação dos Panteras Negras

O Partido dos Panteras Negras foi criado em 1966 por dois universitários negros em Oakland, na Califórnia.

Foi nesse contexto de luta e engajamento dos afro-americanos pelos direitos civis que surgiu o Partido dos Panteras Negras. A fundação desse partido foi uma resposta de dois universitários negros chamados Huey Newton e Bobby Seale contra a violência policial. Isso porque a violência policial foi uma das respostas dos brancos nos Estados Unidos contra o engajamento dos negros.

O historiador Sean Purdy fala que grandes autoridades, como os presidentes John F. Kennedy e Lyndon Johnson, ofereciam pouco auxílio para garantir a segurança dos protestos dos negros. O FBI tentou desestabilizar grandes líderes, como Luther King, e a polícia usava da violência para sufocar os protestos. A violência voltava-se, inclusive, contra idosos e crianças|1|.

Assim, em 1966, Newton e Seale, que já tinham envolvimento com grupos de ideais revolucionários, resolveram fundar o Partido dos Panteras Negras. O partido foi criado em Oakland, na Califórnia, e voltava-se para o combate à violência policial. O historiador Wanderson Chaves afirma que os Panteras Negras acompanhavam operações policiais, denunciavam o racismo e intimidavam denunciados por racismo|2|.

Acesse também: Ku Klux Klan: grupo terrorista que foi o grande símbolo do racismo nos EUA

Objetivos dos Panteras Negras

Em meados de 1967, os Panteras Negras divulgaram o seu “Programa de Dez Pontos”. Esse programa delineava todos os objetivos defendidos pelos Panteras Negras e tinha inspiração socialista. Wanderson Chaves indica que a inspiração ideológica principal dos Panteras Negras era o Frantz Fanon, um filósofo negro de Martinica. Outras inspirações vinham de obras escritas por Che Guevara, Karl Marx e Mao Tsé-Tung|3|.

O programa dos Panteras Negras apresentava os seguintes pontos|4|:

O QUE QUEREMOS

  1. Nós queremos liberdade. Queremos poder para determinar o destino de nossa comunidade negra.

  2. Queremos emprego pleno para nosso povo.

  3. Queremos o fim da roubalheira dos capitalistas brancos contra a comunidade negra.

  4. Queremos casas decentes para abrigar seres humanos.

  5. Queremos educação decente para nosso povo. Uma educação que exponha a verdadeira natureza da decadência da sociedade americana. Queremos que seja ensinada a nossa verdadeira história e nosso papel na sociedade atual.

  6. Queremos que todos os homens negros sejam isentos do serviço militar.

  7. Queremos um fim imediato da brutalidade policial e dos assassinatos de pessoas negras.

  8. Queremos liberdade para todos os negros que estejam em prisões e cadeias federais, estaduais, distritais e municipais.

  9. Queremos que todas as pessoas negras levadas a julgamento sejam julgadas por seus pares ou por pessoas das suas comunidades negras, tal como definido pela Constituição dos Estados Unidos.

  10. Queremos terra, pão, moradia, educação, roupas, justiça e paz.

Dentro do programa, também havia comentários a respeito de cada um dos pontos. Esses comentários expandiam o pensamento dos Panteras Negras a respeito dos objetivos que eles buscavam alcançar. De forma geral, e como mencionado, os Panteras Negras eram um partido que buscava a autodeterminação do povo negro com a possibilidade de mais igualdade de condições, liberdade e o fim da violência com a qual os negros eram tratados rotineiramente.

Leia também: Literatura negra – a produção literária cujo sujeito de escrita é o próprio negro

Atuação dos Panteras Negras

Entre 1966 e 1968, a ideologia dos Panteras Negras espalhou-se pelos Estados Unidos, e uma série de pequenas células foi surgindo por todo o território. Essa popularidade dos Panteras Negras ocorreu, principalmente, por meio da atuação do partido em ações públicas em benefício da comunidade negra, mas não somente por isso.

Os Panteras Negras também ficaram conhecidos por seus confrontos com a polícia da Califórnia. Como a violência policial era muito grande contra os negros, os Panteras Negras acompanhavam as operações policiais armados. Na época, as pessoas podiam carregar armas publicamente, desde que não estivessem escondidas e que elas não fossem empunhadas para atirar.

Em maio de 1967, por exemplo, 30 membros dos Panteras Negras entraram dentro da Câmara Municipal de Sacramento, capital da Califórnia, para se posicionar contra o projeto de proibição de carregar armas em lugares públicos. As imagens desse acontecimento correram o país e deram projeção nacional aos Panteras Negras.

As ações sociais dos Panteras Negras intensificaram-se a partir de 1968, principalmente voltadas para a comunidade negra. A ideia central era fornecer, gratuitamente, serviços públicos a que muitos negros não tinham acesso até então. Sendo assim, os Panteras Negras realizavam, por exemplo, a distribuição de alimentos para crianças. Nesse programa, cerca de 20 mil crianças receberam alimentos dos Panteras Negras entre 1968 e 1969|1|.

Os Panteras Negras também fundaram escolas comunitárias para receber negros e latinos, os dois grupos majoritários nas comunidades mais pobres nos Estados Unidos. Nessa escola comunitária, os Panteras Negras criaram um programa de ensino que se moldava às dificuldades de cada aluno, além disso, era fornecido atendimento hospitalar gratuito aos alunos que adoeciam, além de levarem as crianças da sua casa à escola e vice-versa.

Como resultado da dupla atuação dos Panteras Negras em confrontar a violência do Estado – sobretudo a praticada pelos policiais – e nos programas comunitários, eles chegaram a ter cinco mil membros, vinculados em 34 comitês espalhados em diferentes locais dos Estados Unidos|5|.

Apesar do baixo número de membros, a influência dos Panteras Negras nos Estados Unidos era evidente. Inúmeros outros grupos que atuavam na defesa da comunidade afro-americana inspiravam-se no trabalho desenvolvido por eles. Uma pesquisa realizada em 1970, por exemplo, apontou que 25% dos afro-americanos apoiavam o trabalho realizado pelo Partido dos Panteras Negras|6|.

Acesse também: A importância do Dia da Consciência Negra no combate ao racismo

Repressão do governo

A atuação dos Panteras Negras chamou a atenção do governo norte-americano e, por isso, o FBI foi mobilizado para combater o partido. Assim, em 1967, os Panteras Negras foram incluídos no Cointelpro, programa criado pelo FBI, na década de 1950, para mobilizar ações contra movimentos sociais, sobretudo aqueles que tinham plataformas políticas progressistas.

Com isso, o FBI encabeçou dezenas de ações para enfraquecer e desmoralizar os Panteras Negras em nível nacional. Por meio desse programa, vários membros do partido foram mortos, presos e caluniados. O FBI também atuou para dividir os panteras por meio de agentes infiltrados.

As constantes ações do FBI contra os Panteras Negras, entre 1967 e 1973, levaram o partido ao enfraquecimento. Além disso, a violência policial contra os membros do partido levava a confrontos, muitas ações policiais contavam com violência desproporcional, e o saldo foi dezenas de panteras mortos. Só em 1973, por exemplo, 28 panteras foram mortos.

Nesse período, membros dos Panteras Negras também se desentenderam acerca dos destinos que o partido deveria tomar. Isso levou à expulsão de muitos membros, uma vez que o líder, Huey Newton, temia que os desentendimentos eram causados por agentes do FBI infiltrados.

Em 1973, membros do partido tentaram concorrer a cargos políticos em Oakland e foram derrotados. A partir de então, eles foram perdendo força consideravelmente, e sua atuação acabou concentrando-se apenas regionalmente, em Oakland. A repressão do FBI e os problemas da liderança de Huey Newton acabaram levando os Panteras Negras ao seu fim, em 1982.

Notas:

|1| PURDY, Sean. O século americano. In.: KARNAL, Leandro (org.). História dos Estados Unidos. São Paulo: Contexto, 2008, p. 243-249.

|2| CHAVES, Wanderson da Silva. O Partido dos Panteras Negras. Para acessar, clique aqui.

|3| Idem nota 2.

|4| The Black Panther Party’s Ten-Point Program. Para acessar, clique aqui .

|5| CARPINI, Michael X. Delli. Black Panther Party: 1966-1982. Para acessar, clique aqui .

Créditos da imagem:

Madison Muskopf e

Por Daniel Neves
Graduado em História

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.